jusbrasil.com.br
31 de Maio de 2020

Notícia Comentada: entenda o valor desse tipo de conteúdo

Comunidade Jusbrasil
Publicado por Comunidade Jusbrasil
há 18 dias

Bom dia, Comunidade! Tudo bem com vocês? Aqui é a Juliana.

Acredito que o tema que trouxe hoje, pode ser novo para muitos de vocês. Acredito também que muitos já consumiram esse tipo de conteúdo, mas não perceberam o valor que ele possui.

O que é?

Notícias comentadas são, basicamente, análises mais profundas sobre algum fato que ocorreu na realidade jurídica atual. Ou seja, é uma forma de apresentar uma notícia ao leitor, e junto com ela, um conteúdo rico, analítico e embasado juridicamente. Veja esse exemplo de notícia comentada, pelo perfil do Ibijus - Instituto Brasileiro do Direito:

Por trazer análises jurídicas, citações, leis e por muitas vezes, jurisprudências é um tipo de conteúdo aconselhável que seja escrito por uma pessoa da área jurídica, e que esteja atualizado sobre o assunto da notícia.

Qual o valor que esse tipo de conteúdo gera?

Por trazer um conteúdo aprofundado, esses conteúdos têm a possibilidade de apresentar ao leitor, uma nova forma de enxergar a notícia. Por exemplo, ao compartilhar a notícia de uma decisão judicial, o autor tem a chance de analisar se essa decisão foi correta ou não, e se fere algum direito, com base na lei.

Além disso, apresenta argumentos para que haja discussões mais ricas entre os leitores. Pense comigo, uma notícia política pode atrair leitores com opiniões bem divergentes, certo?. Quando fazemos uma análise imparcial sobre os fatos que ocorreram, possibilitamos que não hajam brechas para discussões ofensivas e sem fundamentos (ou pelo menos, tentamos quebrá-las).

O ideal é pensar no público que será atingido pela notícia, e direcionar o tom da análise a esse público. Caso queira começar a produzir, pense nisso. Faça uma análise mais objetiva e sem juridiquês quando o público for leigo, mas não esqueça de levar o conteúdo rico à eles. E se o público da notícia for juristas ou pessoas com o contexto jurídico, utilize citações jurisprudenciais, leis e fundamentações para enriquecer a discussão. Mas não esqueça da clareza e objetividade ao expor sua análise.

Como publicar esse conteúdo aqui no Jusbrasil?

Uma notícia comentada, apesar de expor um fato noticioso, é um artigo. Por constituir análises e muitas vezes, transparecer opiniões do autor, é um conteúdo autoral. Então, quando forem publicar esse tipo de conteúdo aqui no Jusbrasil, escolham a opção artigo.

Ficou com alguma dúvida? Mande nos comentários, ou fale comigo por mensagem direta. Além disso, me falem o que gostariam de aprender, como autores aqui na Comunidade. Precisamos saber de vocês, para continuar trazendo conteúdo relevante. Até mais!

2 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Bom dia Juliana, obrigada pelo conteúdo.
Um adendo:

Já fiz e ainda faço 'artigos' desse tipo; NO ENTANTO, os meus conteúdos são mais voltados aos Direitos Humanos (DUDH), que não sei quando as pessoas vão demorar para entender que Direitos Humanos são para humanos, não para ratos, baratos, sapos, cachorros e gatos (os últimos tem até os direitos deles);

Enfim, humanos são uma raça só (não há nada que nos diferencie uns dos outros); essa história mequetrefe de que Direitos Humanos só luta em prol de Bandido é uma furada total...., se as pessoas lessem a DUDH e Entrassem em Contato com a Anistia Intenacional entenderiam, pena que cada um só quer sabe do seu próprio umbigo.....; e são bitolados com o que pensam ser certo, não estão abertos à nova leitura do MUNDO!

O último artigo que escrevi tinha tudo a ver com Direitos Humanos e era em cima de uma notícia...Cadê que deu audiência?? Os links da notícia estão no texto para não dizer que minto (que faço fake) sobre o discorrido durante o comentário da notícia.

Como sempre, falando o que penso (apenas não ofendendo).
Sucesso para ti
Obrigada continuar lendo

Dra, lembrei da minha professora, ela dizia justamente isso, que Direitos Humanos não são só para humanos direitos. Não lembro mais o nome dela, mas #mitou! continuar lendo